Corra Igor, Corra

"Eu quero fazer silêncio, um silêncio tão doente do vizinho reclamar!" – Chico Buarque

Categoria: amor

Quando for apedrejar a falta de amor

Quando for apedrejar a falta de amor, pare e lembre-se. Em algum momento alguém te amou, não digo tua mãe, nem teus amigos, digo alguém de fora, alguém, simplesmente alguém. Esse alguém tentou te mostrar o desejo escondido que havia dentro do peito, tentou te dar as flores mais belas e as noites mais longas. Deu bom dia. Esse alguém te amou tão fielmente que mesmo na vergonha criada nesse mundo, conseguia vencer o orgulho e ia, corria para ver como você estava.

Antes de apedrejar a falta de amor, relembre tuas atitudes. Alguém te amou, mas você… Você deixou passar como as ondas que vem e vão, como o vento passageiro. Jogou às traças algo que era valioso: o amor de outrem. Desperdiçou a oportunidade de se encantar, de ver sorrir por conta de teu sorriso outro alguém, deixou para trás algo sincero e que, provavelmente, te faria bem. Você preferiu ser solidão a conhecer a companhia.

E mesmo assim, antes de apedrejar a falta de amor, deite-se em teu travesseiro, abra tuas conversas e lembre, veja e sinta que, naquele momento, você está passando por algo que outra pessoa passou. Você está, meu caro, simplesmente colhendo frutos de uma má produção. Vasculhe a mente e chore, deixe escorrer. A falta de amor foi opção. Alguém te amou nas noites mais frias e estas se tornaram mais frias ainda por sua ausência. Alguém te amou e um coração pulsou até cansar, pois não obteve respostas tuas. Alguém te amou em silêncio e depois apedrejou o pertencer do amor.

E antes de se lamentar agora, lembre-se: alguém te amou e quem ama sempre uma segunda chance dá. Antes de apedrejar o amor, volte, pois ao lado de um amante sempre terá espaço para o amado. Saiba querido, que você têm o amor do mundo. Você exerce a função mais linda de todas: a de receber amor. Antes de apedrejar o amor, venha ao meu encontro e sorria: ainda serão tempos de morangos caso queira.

Mas se não quiser ficar e mesmo assim apedrejar a falta, não culpe o amor, mas sim a mim, a mim pois não tive a capacidade de fazer notar tudo aquilo que em teu peito era necessidade. (porém sou assim, preciso ser lido aos poucos e muitas vezes não se há tempo nem vontade de esperar o fim do prólogo).

Meu amor, o presente é agora!

Meu amor,

Cansei de esperar por um momento oportuno para te gritar aos sete ventos tudo isso que transborda quando te vejo. Querido, a vida é um moinho, é um redemoinho, que leva tudo consigo, que destrói as maiores edificações e por isso é necessário que se permita.

O que é o infinito para você? Para mim é poder olhar dentro de seus olhos e enxergar um futuro brando que tanto almejo, é poder sentir no teu sorriso a alegria de viver sendo quem se escolheu ser. Meu querido amor, você é a paz e a tempestade de meus dias.

Mas o que seria o infinito?

Mas mesmo assim é necessário arriscar o agora. Querido, o ano se vai e com ele todos os pensamentos obstruídos em tua mente, meu amor, o presente é agora, façamos história e deixemos o resto para depois.

Só quero lhe dizer que quando te vejo a pedra não é mais pedra e o pássaro se torna minh’alma. Meu doce amor, não suporto mais essa angústia do futuro, eu te quero agora.

Permita-se, o presente é agora! Junte-se a mim e, juntos, quebremos essa ponte que se forma e nos separa, sejamos água e sal para dar sabor a essa vida que mal começou.

Recomece ao meu lado e sinta que o azul do céu só é válido quando compartilhado. Olhar da solidão não tem graça, a dois tudo é mais produtivo.

Meu querido amor, pegue essa dor que assola meu peito pela sua ausência e me ensine a dançar com a alegria que é te amar.

Amar-te hoje, pois o presente é agora. Ser valsa com o vazio e desse vazio te fazer escultura.

Meu amor, eu não tenho a coragem de te perder, então venha, deite ao meu lado e me ajude a colorir os dias, me ajude nessa luta diária que é viver, pois com você viver ganha uma proporção de sentidos.

Sentir o seu lábio sussurrando ao meu que junto é melhor.

Sentir o seu toque no momento de angústia

E ir ao parque

Colorir as tardes

Com você, morrer de amor.

Sem a dor.

Apenas eu e você.