Dois anos

por Igor Passos

Hoje completamos dois anos. Dois anos de comentários, de textos, de likes. Dois anos de vocês comigo. Dois anos de sumiço e volta. Dois anos de vida.

Comecei aqui a escrever no final do meu ensino médio. Aquele sentimento de não saber e até de não pertencer me inundava. Foi um ano difícil. Houve cirurgia, houve prova, houve vestibular, crise, choro, dúvidas… Mas passou. E aqui compartilhei muito do que acontecia. Momento eternizado.

Um ano depois, estava eu na universidade. Eu. Universitário. Artes Cênicas. E mais dúvidas, mais crises, quase desistência… Mas muita descoberta. Eu me descobri um pouquinho mais. O mundo me mostrou um pouquinho mais de sua (ou não) beleza.

Hoje aqui estou. Primeiro dia de férias. Dois anos do blog. Ainda universitário. Artes Cênicas. Peça em processo de montagem. Aprovado na iniciação científica. Pesquisador (ou pseudo, como queiram) de teatro performativo. Professor. Mas ainda assim, chorão, sentimental, quieto, de poucas palavras. Ainda um sonhador.

Confesso que odeio essas introduções que faço nos posts, mas de lá pra cá, de dois mil e quinze para dois mil e dezessete, consegui me ser sem máscaras. Hoje eu não preciso mais da grandiosidade das palavras bem colocadas numa frase. Aquilo não me era de fato. Hoje eu consigo me ser apenas no que flui. Sem muito pensar. Aquilo que emerge e se torna frase. Isso que me sou.

Em dois anos mudamos muito e como é prazeroso perceber essa mudança. Se eu voltasse no tempo e me visse no futuro eu teria orgulho. Estou onde sonhei estar. (Ou estou no caminho para onde quero chegar). E não me  arrependo de ter sonhado e de continuar sonhando. De acreditar mesmo querendo desacreditar. De continuar mesmo querendo às vezes desistir. o sonho acordado é que é realidade, já dizia Clarice em um sopro de vida (se não me engano muito).

E eu acho que a vida é exatamente isso. Clarice (obrigado por me salvar tantas vezes) já havia me avisado: ser apesar de.

Apesar da dificuldade

Apesar dos obstáculos

Apesar de nós mesmos.

Ser apesar de. Cada dia. Levantar-se olhar a janela e acreditar: este é mais um dia para ser apesar de. E nunca desistir. Nunca desacreditar. (Claro que em alguns dias o desistir vai ser um pensamento bem presente, mas basta respirar fundo e pedir mais cinco minutinhos. Tudo vai dar certo!)

Hoje eu sou muito feliz com tudo que passei. Hoje sou muito grato pelo lugar que ocupo. E sou grato por ter aprendido com todos os mestres (e mestres não são só os acadêmicos, a vida é cheia de grandes) que viver cada dia de uma vez sem se esquecer quem se é (ou uma parte do que se é) pode nos levar além…

Hoje eu sou Igor, 19 anos. Graduando em Artes Cênicas. Aceitando todos os desdobramentos. E, a cima de tudo, um sonhador.

Obrigado a todos que nesses dois anos fizeram parte dessa grande colcha de retalhos.

Anúncios