Sorte ou um feliz 2016

por Igor Passos

“Para ganhar um Ano Novo
que mereça este nome,
você, meu caro, tem de merecê-lo,
tem de fazê-lo novo, eu sei que não é fácil,
mas tente, experimente, consciente.
É dentro de você que o Ano Novo
cochila e espera desde sempre.”

Receita de Ano novo – Carlos Drummond de Andrade

***

Lembro-me de um trecho de “Feliz Ano Velho” que muito me comoveu. Neste era retratado a virada do ano, o cara ali, sozinho numa cama de hospital, tendo seu destino totalmente transformado por um ato cometido pelo  mesmo.

Mudar…

O ano virou, mudou e cá eu, em meu silêncio, disse adeus a um dos anos mais conflituosos de minha vida, disse olá a um ano que promete ser grandioso. Mas o outro também não foi?

Na dor, nas dúvidas, nas quedas de 2015, cresci. Tornei-me uma nova roseira, que se podou, que se transformou, dando lugar a rosas lindas e perfumadas, rosas que deixaram o  cheiro da esperança para esse novo ano.

E regredindo mais um pouco, logo em “Feliz Ano Velho”, à vocês que também já o leram, sabem da reabilitação, a mudança que vai ocorrendo, aquela velha questão da aceitação, de aprender com o novo. Acredito que é isso que preciso para esse dois mil e 16.

Pra 2016 é necessário sermos essa fênix, pois o ano não se formará sozinho, veja bem: se me sentar numa cadeira na varanda de minha casa e lá ficar por todo o ano, lá continuarei e nada mudará, então em 31 de dezembro provavelmente gritarei aos quatro ventos “obrigado pelo fim desse ano ruim”, porém o ano não foi ruim, ele seguiu seu curso, eu, nessa situação hipotética, que fui ruim, ruim para mim.

Nesse ano que se inicia, o sentimento de renovação e renascimento invade o meu peito, acho que estou em um bom estágio dessa reabilitação. E é preciso que se faça, que se sinta na pele o sabor da fruta da tentativa, é preciso que se caia, que se levante, conquiste, perca, ganhe, esqueça… É preciso que eu veja em mim a possibilidade de um mundo melhor.

Vejo muitos fazendo grandes votos para o ano que entra: dinheiro, viagens, amores, bons empregos… Mas me desapeguei disso, votei à paz de espírito e  à determinação. Votei em ser a fênix, que hoje ressurge e espera as surpresas, não espera muito o material, mas espera o surpreender que as pequenas coisas podem gerar.

Comprometi-me ainda ao bem, fazer o bem, receber apenas o bem. A me amar mais e amar mais aos que me amam, prometi aproveitar mais a vida em vez de, parafraseando Raul, ficar sentado esperando a morte chegar. Enfim, prometi à vida cumpri-la sem olhar para trás.

E que 2016, assim como “Feliz Ano Velho” seja repleto de aprendizagens, que todos nós possamos enxergar os grandes espíritos que carregamos, que possamos ser a mudança que queremos no mundo.

Que o sonho seja vivo e a vida seja um grande e belo sonho.

Anúncios